quinta-feira, 22 outubro 2020

Sócio de empresa que fez seleção para 600 vagas de emprego em Suzano é foragido da justiça por estelionato, diz site do nordeste

O site nordestino Marco Zero Conteúdo (marcozero.org), especializado em jornalismo investigativo, divulgou nesta quinta-feira, 31 de janeiro, que um dos sócios de uma das empresas que fizeram uma seleção para 600 vagas de empregos na área da construção civil em Suzano é foragido da justiça, acusado de estelionato.

A seleção foi realizada em Suzano do dia 7 de janeiro ao dia 11 de janeiro, no Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) de Suzano (que fica dentro do Centro Unificado de Serviços da Prefeitura de Suzano).

Segundo a matéria do site Marco Zero Conteúdo, um dos sócios da empresa Midas Incorporadora e Investimentos LTDA, Willams da Silva Hardman, é foragido da Justiça do Rio Grande do Norte desde janeiro de 2017, quando o juiz Raimundo Carlyle de Oliveira Costa, da 3ª Criminal de Natal, decretou sua prisão preventiva num processo que correu à revelia. O crime do qual ele é acusado é estelionato.

O processo de estelionato em Natal tem como vítima Antônio Carlos Souza Marques, cujo nome aparece como diretor da Associação dos Diabéticos e Hipertensos do Rio Grande do Norte.

Para evitar lançar suspeitas contra um homônimo: o site Marco Zero Conteúdo verificou se o foragido da Justiça potiguar seria a mesma pessoa que aparece como sócia da empresa que está recrutando pessoal e se apresenta como presidente da empresa e sócio-administrador da Midas Incorporadora e Investimentos, segundo cadastro do CNPJ da Receita Federal.

A confirmação só aconteceu na manhã desta quinta-feira, 31 de janeiro: trata-se do mesmo Willams da Silva Hardman, portador do CPF 054.086.454-44. A única discrepância é que, no processo do Rio Grande do Norte, o nome aparece grafado como Williams, com adição de um “i” no primeiro nome, o que pode ser explicado pelo fato dele nunca ter sido encontrado pela Polícia.
Além do processo criminal, o nome de Willams da Silva Hardman é listado como réu em um processo trabalhista instaurado em 2015, em São Paulo.

Nesta semana, a mesma empresa realizou em Recife uma seleção para 600 vagas de empregos idêntica da realizada em Suzano

O interesse do site nordestino Marco Zero Conteúdo pelo assunto se deu por conta de um processo seletivo para vagas de emprego realizado na cidade de Recife na última quarta-feira (30).

A Midas Incorporadora e Investimentos LTDA (mesma empresa que realizou a seleção para vagas de emprego em Suzano), anunciou 600 vagas de emprego para a construção de um shopping em Miami, nos Estados Unidos. Em Pernambuco, a seleção para vagas de emprego foi realizada no Auditórios Recife, espaço de locação de salas que fica no bairro do Espinheiro, na cidade de Recife.

Como em Suzano, na seleção de Recife, gerou desconfiança entre os candidatos o fato da empresa pedir R$ 180, pagos em espécie, para cobrir custos de um exame psicossocial, diz a matéria do site Marco Zero Conteúdo.

A mesma empresa já teria agendado a realização de recrutamentos em Fortaleza (CE), de 23 a 26 deste mês, e em Salvador (BA), a começar no dia 4 de fevereiro.

Sobre a Midas Incorporadora e Investimentos LTDA

O Site Marco Zero Conteúdo também fez um levantamento sobre a empresa que está realizando as seleções em Suzano e no Recife.

Segundo matéria do marcozero.org, a empresa Midas Incorporadora abriu cadastro na Receita Federal em 24 de maio de 2018. O endereço informado ao Fisco fica em um empresarial da Avenida Paulista, em São Paulo. O site diz que não foi possível identificar o telefone da portaria para confirmar a existência de uma empresa ativa com esse nome no local. No cadastro da Receita também há um telefone de São Paulo que não pertence à Midas. É de uma empresa de equipamentos chamada Locar, que negou qualquer vínculo com a incorporadora.

Ainda segundo a matéria, a página do Facebook da empresa informa um segundo endereço, também em São Paulo. No local funciona um coworking, espaço que abriga vários negócios. A portaria do coworking confirmou a existência da Midas Incorporadora e chegou a transferir a ligação para a empresa, contudo todas as pessoas que atenderam informaram que não eram contratadas da Midas, porém do próprio coworking. O site repetiu a ligação três vezes sem conseguir o contato.

O site Marco Zero Conteúdo também tentou falar com outros executivos citados pelos participantes dos grupos de recrutamento no Whatsapp. Um deles é Jonathan Ferraz, que se apresenta como diretor executivo. Ele chegou a atender a ligação do site, mas antes de esclarecer questões sobre a seleção dos trabalhadores, a conexão foi interrompida. Depois disso, ele não voltou a atender as chamadas.

Segundo o marcozero.org, outro contato informado pelos trabalhadores pernambucanos é o da empresa New Orizont, de Sérgio Noyama. O e-mail da empresa New Orizont, que é de São Paulo e atua na construção naval, foi apontado para envio dos currículos. A New Orizont já teria atuado em obras no Japão e na Refinaria Abreu e Lima, em Suape, segundo descrição da empresa feita pelo próprio Sérgio Noyama no Linkedin.

Na Receita Federal, o CNPJ da New Orizont aparece com o nome de S L da Cruz Noyama. O endereço fica em Suzano, onde há uma residência de acordo com as imagens do Google Street View.

Prefeitura de Suzano dá declaração sobre o assunto e diz não ter responsabilidade sobre o caso

Em matéria veiculada pelo site do jornal Diário de Suzano nesta quinta-feira (31), a Prefeitura de Suzano garantiu que não tem detalhes das contratações e que todos os processos seletivos intermediados pelo PAT são de responsabilidade das empresas contratantes que ofertam as vagas.

“Sobre este caso, a Prefeitura não tem conhecimento da cobrança de nenhuma taxa seja por qualquer alegação. Nunca houve nenhuma orientação de agentes municipais para qualquer candidato no sentido de fazer qualquer tipo de pagamento para qualquer processo seletivo, assim como em momento algum foi feita qualquer cobrança de valores no espaço da Prefeitura”, diz.

“Considerando os fatos noticiados por candidatos em relação à cobrança de valores pela empresa contratante (dos quais o município de Suzano não tinha conhecimento), a Prefeitura instaurou um Processo Administrativo para averiguar a situação, bem como garantir os direitos de todos os candidatos”, acrescenta.

Na divulgação da seleção para as vagas, a Prefeitura de Suzano dizia ter responsabilidade

Em matéria divulgada no dia 04 de janeiro de 2019 em seu próprio site, a Prefeitura de Suzano afirmou que o projeto ‘Suzano Mais Emprego’, iniciativa da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Geração de Emprego estava oferecendo as 600 vagas na área da Construção Civil.

(com informações de Inácio França e Mariama Correia do site Marco Zero Conteúdo – marcozero.org – http://marcozero.org/empresa-de-foragido-da-justica-recruta-operarios-em-recife-sera-golpe/)