quarta-feira, 28 outubro 2020

Em Poá, usuários do ambulatório da saúde mental, relatam falta de remédios

O ambulatório da Saúde mental de Poá, foi o principal alvo de algumas denúncias recentemente, segundo pacientes, o local está com falta de importantes medicamentos, a população relata que o órgão público e a secretaria da saúde não dão explicações quanto ao problema.
As crianças autistas estão sem o principal medicamento, o Respiridona, que é indicado para o tratamento da esquizofrenia e para outros distúrbios psicóticos, tais como, de alucinações e distúrbios do pensamento.
Na tarde desta sexta-feira (22), o prefeito Marquinhos Indaiá chamou atenção ao participar do bloco carnavalesco “loucos pela vida”, realizado pelo fórum da saúde mental do Alto Tietê, tal ação demonstrou apoio, mas o próprio município se encontra em déficit de medicamentos fundamentais aos pacientes que utilizam o ambulatório da saúde mental.
Segundo os usuários do ambulatório, foi adentrar o ano de 2019, que iniciou a falta de remédios, a prefeitura e a secretaria da saúde, vem omitindo até o momento.