A Justiça mandou prender preventivamente um cabeleireiro de São Paulo suspeito de tentar matar a ex-namorada, uma universitária, de Mogi das Cruzes. Rogério Luiz da Silva Filho é cabeleireiro e lutador de jiu-jtsu, já tem passagens na polícia por outros com informações do G1 – o site de notícias da Globo)casos de violência doméstica.

A vítima ficou com cortes no ombro, na cabeça, pescoço e mãos, além de ter dois dedos amputados. A universitária de 25 anos não morreu por pouco. As agressões, segundo ela, foram do namorado de 30 anos, que usou um facão, já apreendido pela polícia.

O crime aconteceu na casa da avó da jovem, em Mogi das Cruzes. O namorado morava na cidade de São Paulo e costumava dormir no imóvel desde o começo do namoro, 15 dias antes do crime.

A universitária conheceu o homem num site de relacionamentos. Conversaram por cerca de um mês e decidiram assumir compromisso logo no primeiro encontro. Em poucos dias, ele conquistou toda a família dela.
Mas logo o lado ciumento apareceu. Ele exigiu que a jovem largasse a faculdade de fisioterapia, segundo conta a própria vítima.

A justiça já decretou a prisão preventiva do suspeito. Ele responde por tentativa de feminicídio e é considerado foragido. Segundo a polícia, Rogério também já tinha antecedentes criminais por violência doméstica.

A delegada da Delegacia da Mulher de Mogi das Cruzes, Valene Bezerra, diz que ele tem três passagens por violência doméstica. “Inclusive, ele pegou a vítima, companheira dele, e ficou muito tempo fora. Deixou a família da vítima desesperada procurando. Ele é uma pessoa perversa”, ressalta a delegada em entrevista ao site G1, da Rede Globo.

No caso de Mogi das Cruzes, a crueldade não parou depois do ataque. Rogério, segundo a polícia, fugiu levando o celular da jovem e mandou fotos dela gravemente machucada para um grupo de colegas da faculdade e fez ameaças.
“Ele furtou o telefone dela, e ligava ameaçando as amigas dela. Porque ele achava que as amigas eram responsáveis, culpadas, por qualquer atitude que ela tivesse”, conta a delegada.

Quem tiver informações sobre o paradeiro do suspeito pode ligar para o telefone 181. Não é necessário se identificar.

(com informações do G1 – o site de notícias da Globo)

COMPARTILHAR