quarta-feira, 25 novembro 2020

Céu escuro na tarde de segunda-feira (19) em Suzano e região pode ser resultado de queimadas na Amazônia

Um dos assuntos mais comentados nas redes sociais na tarde desta segunda-feira (19) foi a escuridão repentina que acometeu parte do estado de São Paulo, incluindo Suzano e a região do Alto Tietê.

O “dia virou noite” e, por volta das 15 horas, os postes estavam todos acessos por conta do céu escuro. O fenômeno, atípico, está relacionado com a frente fria e também com as queimadas que acometem a região da Amazônia nos últimos dias.

“O material particulado, oriundo da fumaça produzida por esses incêndios silvestres de grande porte que estão acontecendo, conjugado com o ar frio e úmido que está no litoral de São Paulo, causou a escuridão”, diz Franco Vilela, meteorologista do Inmet.

O Climatempo também aposta na hipótese de que a fumaça proveniente de queimadas na região amazônica, nos estados do Acre e Rondônia e na Bolívia, chegou ao estado de São Paulo pela ação dos ventos.

Além da fumaça outro fator combinado fez com que o céu ficasse escuro: a frente fria, que trouxe excesso de umidade para o ar.

“A fumaça não veio de queimadas do estado de São Paulo, mas de queimadas muito densas e amplas que estão acontecendo há vários dias em Rondônia e na Bolívia. A frente fria mudou a direção dos ventos e transportou essa fumaça”, diz Josélia Pegorim, meteorologista do Climatempo.

No entanto, os meteorologistas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que também monitoram o clima no país, ainda não verificaram influência das queimadas no aumento na nebulosidade que tornou o céu da capital tão escuro.

“O vento até pode trazer essa fumaça de queimadas, mas teria que ser bem intenso o incêndio. Geralmente, isso ocorre mais com fumaça de vulcões”, diz Caroline Vidal, meteorologista do Inpe.

(com informações do site G1 – o site de notícias da Globo / Imagem: Reprodução)