quarta-feira, 21 outubro 2020

Em São Paulo, motoristas e cobradores de ônibus paralisam o trânsito e fecham terminais nesta quinta-feira (05)

A cidade de São Paulo vive momentos de tensão desde o início da tarde desta quinta-feira (05). O protesto dos motoristas e cobradores de ônibus da cidade que reivindicam o pagamento de Participação nos Lucros e Resultados (PLR) e contra a redução de frota e a garantia de postos de trabalho, vem paralisando o trânsito em diversos pontos da cidade.
Ao menos 20 dos 31 terminais de ônibus estão bloqueados, ônibus estão sendo estacionados nas ruas e causando imensos congestionamentos.

De acordo com a Polícia Militar, os rodoviários ocupam uma faixa da Avenida 23 de Maio. Na Rua Libero Badaró são cerca de 10 ônibus estacionados. Os motoristas também estacionaram os veículos na Avenida Brigadeiro Luis Antonio, no Viaduto Dona Paulista e na Rua Barão de Paranapiacaba, complicando o trânsito na região.

Segundo passageiros, pessoas tiveram que descer dos ônibus por ordem dos motoristas no Viaduto Orlando Murgel, no centro de São Paulo, às 15:08.

Em uma assembleia feita na última quarta-feira (4), mais de seis mil funcionários votaram pela realização da manifestação. Segundo informações do Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo (Sindmotoristas), foram retirados 450 ônibus de circulação e até o final do ano o número deve aumentar para mil.

Terminais de ônibus fechados:
– Bandeira (Centro)
– Parque Dom Pedro (Centro)
– Princesa Isabel (Centro)
– Pinheiros (Zona Oeste)
– Campo Limpo (Zona Sul)
– Mercado (Centro)
– Sacomã (Zona Sul)
– AE Carvalho (Zona Leste)
– São Miguel (Zona Leste)
– Varginha (Zona Sul)
– Santo Amaro (Zona Sul)
– Barra Funda (Zona Oeste)
– Santana (Zona Norte)
– Lapa (Zona Oeste)
– Jardim Ângela (Zona Sul)
– Capelinha (Zona Sul)
– Vila Carrão (Zona Leste)
– Água Espraiada (Zona Sul)
– Sapopemba (Zona Leste)
– Guarapiranga (Zona Sul)

Os motoristas e cobradores de ônibus de São Paulo planejam realizar uma greve também nesta sexta-feira (06), durante o dia todo, até ter uma solução por parte da Prefeitura de São Paulo sobre o assunto.

(com informações do site G1 – o site de noticias da Globo)