sexta-feira, 27 novembro 2020

Familiares de garota de 10 anos relatam racismo em escola de Suzano e que diretoria teria desprezado o caso

Familiares da garota Kemilly Rayssa dos Santos Faustino de 10 anos de idade relatam que a estudante sofreu racismo nas dependências da Escola Estadual Euclides Igesca, localizada na Vila Fátima em Suzano.

Segundo os relatos de Daiane dos Santos Faustino e de Kathelyn dos Santos Faustino de Toledo, mãe e irmã da criança respectivamente, o silêncio da vítima, a tristeza e a falta de vontade de sair da residência da família chamou a atenção de todos.

Após questionar a garota sobre sua situação atual, os familiares descobriram que a criança foi vítima de preconceito contra sua cor e seu cabelo. Nos últimos dias que frequentou a escola, Kemilly foi alvo de piada e críticas no local.

Segundo Daiane dos Santos, mãe da garota, a escola já foi procurada por duas vezes, e a diretoria do local teria desprezado o caso.
Inclusive, segundo o relato de Daiane, os pais dos alunos envolvidos nas agressões de racismo não teriam sido procurados pela direção da Escola Estadual Euclides Igesca.

Há uma semana, Kemilly está trancada em casa e não quer sair do local por conta dos insultos sofridos, dizem familiares.
Uma manifestação está sendo organizada pela família e por amigos da criança e provavelmente será realizada na próxima terça-feira (29), em frente a escola.

Até o momento, a Escola Estadual Euclides Igesca ou a Diretoria de Ensino da região não se manifestaram sobre o assunto.

(a mãe da adolescente autorizou expressamente a divulgação das imagens de suas duas filhas).