segunda-feira, 13 julho 2020

João Doria coloca Suzano e região em alerta máximo e prorroga quarentena até 15 de junho

O Governo do Estado de São Paulo considerou a região do Alto Tietê como uma das de maior risco (alerta vermelho) de contágio do novo coronavírus (covid-19).
Por esse motivo, Suzano e outras cidades da região deverão manter apenas os serviços essenciais abertos, sem chance para possíveis flexibilizações até o dia 15 de junho.
Já na cidade de São Paulo, em alerta laranja, haverá um “relaxamento” da quarentena, com a possível retomada com restrições a comércio de rua, shoppings, escritórios, concessionárias e atividades imobiliárias.

Durante o pronunciamento desta quarta-feira (27), João Doria afirmou que o Governo do Estado criou etapas nas quais as regiões de São Paulo foram classificadas por cores que seguirão critérios definidos pelos órgãos de saúde de todo o Estado de São Paulo:

– Vermelho: alerta máximo; apenas serviços essenciais devem funcionar.
– Laranja: fase de controle, onde há chances de certas flexibilização, mas com restrições.
– Amarela: aumento gradual da reabertura de certos setores.
Verde: um aumento ainda maior da reabertura de certos setores.
– Azul: fase de situação controlada, onde será permitida a reabertura de todos os setores enquanto se mantém medidas de distanciamento e higiene.

Atualmente, além da região do Alto Tietê, a Baixada Santista, Vale do Ribeira e Grande São Paulo também se encontram na fase de alerta máximo, caracterizado pela cor vermelha. A cidade de São Paulo entrou na categoria laranja.

“A decisão não será homogênea. Até agora foi porque precisava ser. Agora, podemos fazer heterogênea, seguindo orientação do comitê de saúde. Em áreas que definam flexibilização cuidadosa e em etapas, isso será levado em consideração. Onde não puder, não será.”

Pelo plano, só poderão iniciar a retomada das atividades:

– As cidades que tiverem taxa de isolamento de pelo menos 55%.
– As cidades que tiverem redução no número de novos casos por 14 dias seguidos.
– As cidades que mantiverem ocupação nos leitos de UTI inferior a 60%.
– Com manutenção do distanciamento social nos ambientes públicos.
– Uso obrigatório de máscaras.

Divulgação/Governo de São Paulo